A taxa SELIC é a taxa base da economia brasileira e ela define vários comportamentos que alteram diretamente seu dia-a-dia. Se você souber o seu valor e no que ela influencia poderá tirar vantagens e fazer boas decisões.

O juro base da economia brasileira é definido através da taxa SELIC, mas você sabe o que é o juro?

Juros

O juro é a quantia em dinheiro que remunera o credor quando empresta seu dinheiro ao devedor. É comum achar que essa lógica é difícil e complexa, mas basta seguir a mesma ideia de produtos tradicionais.

Quando você quer comprar um produto você precisa fazer uma negociação. Você vai à loja, conversa com o vendedor, escolhe o produto, acerta os valores, paga e leva o produto para casa.

Nesse caso, você trocou uma quantia em dinheiro pelo produto. Você remunerou o vendedor em troca do produto de interesse e pode levá-lo para casa.

A taxa SELIC muda o seu dia-a-dia e você nem imagina como

Agora, e se esse produto for dinheiro?

A ideia é a mesma.

Você vai ao banco, conversa com o gerente, combina a quantidade de dinheiro você precisa, acerta os valores e leva o dinheiro para casa. Nesse caso, você está comprando dinheiro. Ao invés de comprar dinheiro esta operação é chamada de empréstimo.

E o que se usa para comprar dinheiro? Mais dinheiro!

Então o juro nada mais é do que o valor que o dinheiro custa naquele momento.

Análise de juros

O juro é composto por uma série de fatores. Além da taxa base, o credor também analisa quem é o devedor: quanto ele ganha, qual a sua capacidade em honrar seus compromissos, o momento atual da economia e assim por diante.

Se o credor considera que o devedor é um mal pagador ou tem chances de não conseguir pagar, o juro dessa operação vai aumentar.

Isso porque se o risco para o credor é maior então ele também deve ter um prêmio maior. Se ele considerar que o risco é muito alto pode, inclusive, negar o empréstimo.

Cálculo

A taxa de juro é calculada em porcentual e, em geral, seu valor é ao ano. Por exemplo, se a taxa em um empréstimo for de 6% a.a. (a.a. significa ao ano) então a cada ano o saldo devedor aumenta em 6%.

Existem duas formas de cálculo de juro: juro simples e juro composto.

Juro simples

O juro simples é calculado sempre baseado no valor inicial. Por exemplo, se você pediu R$ 1.000 emprestado para ser pago em 3 anos a taxa de juros de 6% a.a. deverá devolver R$ 1.180. Se isso for pago ao longo dos 3 anos, você deverá pagar aproximadamente R$ 32,78 por mês.

Isso acontece porque o valor do juros é de R$ 60 ao ano (R$ 1.000 * 6%), como são três anos então o valor total de juros é de R$ 180. Além de devolver o juros você também precisa devolver o valor inicial, então R$ 1.000 + R$ 180 = R$ 1.180.

A fórmula para calcular o valor final da operação utilizando o juro simples é (I * J * T) + I onde:

  • I é o valor inicial
  • J é o valor do juros ao ano
  • T é o tempo em anos

No exemplo, ficaria assim: (R$ 1.000 * 6% * 3) + R$ 1.000 = R$ 1.180.

Juro composto

O juro composto é sempre recalculado baseado no saldo devedor. Usando o mesmo exemplo do item anterior: se você pediu R$ 1.000 emprestado para ser pago em 3 anos a taxa de 6% a.a deverá devolver R$ 1.191,02. Se isso for pago ao longo de 3 anos, você deverá pagar aproximadamente R$ 33,04 por mês.

Essa diferença acontece porque a cada ano o saldo devedor aumenta então o valor do juro também aumenta. Nesse exemplo:

  • 1º ano: R$ 1.000 * 6% = R$ 1.060
  • 2º ano: R$ 1.060 * 6% = R$ 1.123,60
  • 3º ano: R$ 1.123,60 * 6% = R$ 1.191,02

A fórmula para calcular o valor final do juro composto é I * (1 + J)^T onde:

  • I é o valor inicial
  • J é o valor do juros ao no
  • T é tempo em anos

No exemplo ficaria assim: R$ 1.000 * (1 + 6%)^3 = R$ 1.191,02.

Assim, fica claro que o juro composto é mais caro que o juro simples, e é assim em todos os casos. A grande maioria de operações financeiras utiliza o juro composto.

Taxa SELIC

O Comitê de Política Monetária (COPOM) se reúne a cada 45 dias para definir qual será a nova taxa SELIC. Ao final da reunião, o comitê divulga se a taxa vai aumentar, diminuir ou manter no mesmo patamar.

Então esse nova taxa SELIC passa a ser usada como taxa base de juros no Brasil. A partir dela todas as outras taxas de juros são redefinidas. Se a taxa SELIC muda então muito provavelmente as taxas de empréstimos, financiamentos e outras operações também mudarão.

É importante destacar que em financiamentos e empréstimos um contrato é feito, então a taxa acordada na assinatura do contrato é mantida independente de alterações na taxa SELIC. Para alterar essas taxas uma renegociação com a instituição responsável é necessária.

Mas porque essa taxa existe? E porquê ela é importante?

Sistema Especial de Liquidação e Custódia

SELIC significa Sistema Especial de Liquidação e Custódia e a importância inicial dela é para os bancos.

Os bancos precisam fechar o seu caixa diário sempre positivo, mas se existiram mais saques do que depósitos isso não vai acontecer. O banco então precisa recorrer ao Banco Central (BC), que irá emprestar o dinheiro por um dia.

A taxa de juros que o BC irá cobrar do banco é a taxa SELIC.

Uma alternativa para o banco que está com o caixa negativo é pegar empréstimo com outro banco. Para que a operação seja vantajosa, os bancos cobram entre si uma taxa um pouco menor. Essa taxa é o CDI (Certificado de Depósito Interbancário), mas isso é assunto para outro artigo…

Controle da inflação

A taxa SELIC também é importante para o controle da inflação. Quando o Governo precisa alterar a inflação ele altera a taxa SELIC.

Como a SELIC é a base de todas as taxas de juros do país então se o Governo quiser que o dinheiro fique mais barato, ele diminui a taxa SELIC.

O Governo controla a inflação através da taxa SELIC

Diminuindo a taxa SELIC, os juros no país diminuem, os juros diminuindo fica mais barato para pegar empréstimos no banco. Se os empréstimos estiverem mais baratos, mais pessoas pegarão empréstimos.

Assim, o Governo aumentou o número de empréstimos através da SELIC. Ele pode diminuir o número de empréstimos aumentando a SELIC, a lógica é a mesma, apenas inversa.

Com menos dinheiro rodando na economia, o consumo é desencorajado e a inflação tende a diminuir. Com mais dinheiro na economia, o consumo é encorajado e a inflação tende a aumentar.

E é assim que o Governo controla a inflação usando a Taxa SELIC.

Além disso, esse dispositivo ajuda o Governo a incentivar investimentos. Com os juros mais baratos é mais rentável ao investidor investir em empresas e infraestrutura do que em aplicações financeiras mais seguras.

Isso também ajuda a aquecer o mercado e atrair investidores estrangeiros que buscam locais propícios ao crescimento.

Investimentos

A taxa SELIC é a base de outras taxas e várias delas são usadas para definir a rentabilidade das aplicações de renda fixa.

O Tesouro Direto SELIC, por exemplo, usa a taxa SELIC para definir a rentabilidade da aplicação. Várias outras aplicações usam o CDI para essa definição, e o CDI é baseado na SELIC…

Então se a taxa SELIC cai, a rentabilidade dessas aplicações também cai. Se a taxa aumenta então a rentabilidade aumenta.

As aplicações que são atreladas a indicadores, como a taxa SELIC, têm a rentabilidade alterada quando a taxa muda. O comportamento é diferente quando comparado a empréstimos e financiamentos.

Por quê a taxa SELIC está caindo?

Na última reunião do COPOM, em dezembro de 2020, a taxa SELIC foi mantida no seu valor mínimo, em 2%. Em 2016, a taxa estava em 14,25% e desde então tem caído chegando ao seu mínimo.

Mas por quê a SELIC está baixando?

O Brasil passou por uma grande recessão com alta inflação, então o Banco Central combateu isso aumentando a SELIC. Com isso a economia desacelerou.

Como desde então os especialistas consideraram que a economia está se recuperando, a diminuição da taxa SELIC está sendo um recurso usado pelo BC.

Além disso, o Covid-19 está impondo um regime diferenciado na economia mundial. Então uma taxa de juros mais baixa ajuda a população e a economia a se manterem para passar pela crise.

Onde investir?

Com a SELIC em queda, várias aplicações de renda fixa também estão com a rentabilidade mais baixa. Assim, muitos questionam onde investir agora.

Depende do objetivo.

Onde investir com a taxa SELIC caindo

Se o seu objetivo é montar sua reserva de emergência, por exemplo, você deve manter seus investimentos em aplicações seguras. Em geral, elas rendem algo próximo à taxa SELIC. Mesmo em queda, você deve buscar a segurança então a queda não deve mudar suas decisões.

Agora, se você pode correr mais riscos ou pode deixar o dinheiro mais tempo investido, existem outras opções. CDBs com rentabilidades e prazos maiores, por exemplo, ou até a renda variável podem ser boas alternativas.

Taxa SELIC Meta x SELIC Over

Como nada pode ser simples, existem dois tipos de taxa SELIC. Na verdade, é uma só, mas existem dois indicadores. Você já vai entender.

A taxa SELIC divulgada pelo COPOM a cada 45 dias é a taxa SELIC Meta. É ela que é divulgada na imprensa e é ela que é usada para definir a rentabilidade dos investimentos. Oficialmente ela é a taxa SELIC.

Mas existe a taxa que é usada de fato é a taxa SELIC Over. O “over” vem de “overnight”, que foi uma operação muito feita no passado onde investidores aplicavam seu dinheiro por apenas um dia e era compensada durante a noite (“overnight” significa “durante a noite”, em tradução livre).

Essa taxa é calculada com a média ponderada de todas as operações feitas no sistema SELIC lastreadas em Títulos Públicos Federais. As operações feitas entre os bancos possuem Títulos Públicos Federais como garantia, então elas são lastreadas por eles.

A taxa SELIC Over é ligeiramente inferior a taxa SELIC Meta. Historicamente, essa diferença fica entre 0,10% e 0,11%. Se a taxa SELIC Meta está em 2%, então a Over está por volta de 1,9%.

Assim, para investimentos, por exemplo, a taxa que de fato é usada na rentabilidade é a taxa SELIC Over. Assim a rentabilidade real será um pouco inferior a taxa SELIC divulgada (Meta).

Histórico da taxa SELIC

A taxa SELIC possui um histórico bem longo e, como disse anteriormente, seu valor é revisto a cada 45 dias. Você pode ver o histórico completo da taxa SELIC no site do Banco Central, mas aqui tem as últimas variações:

DataValor
16/06/214,25%
05/05/213,50%
17/03/212,75%
05/08/202,00%
17/06/202,25%
06/05/203,00%
18/03/203,75%
05/02/204,25%
11/12/194,50%
30/10/195,00%
18/09/195,50%
31/07/196,00%
21/03/196,50%
07/02/186,75%
06/12/177,00%
25/10/177,50%
06/09/178,25%
26/07/179,25%
31/05/1710,25%
12/04/1711,25%
22/02/1712,25%
11/01/1713,00%
30/11/1613,75%
19/10/1614,00%
31/08/1614,25%

Para ter uma noção mais visual, este é o gráfico dessas taxas desde 2016:

A taxa SELIC muda o seu dia-a-dia e você nem imagina como

Você pode observar que a taxa já caiu muito desde 2016. Passando de mais de 14% para menos de 4%.

Na última reunião do Copom, em 16/06/2021, a taxa SELIC foi elevada para 4,25%.

Conclusão

A taxa SELIC é a taxa mais básica da nossa economia e você precisa entendê-la. Não é difícil, na verdade seu funcionamento é bem lógico. Basta compreender a situação que ela se enquadra que tudo começa a se encaixar.

No fundo, é uma forma do Governo controlar a inflação e incentivar ou desestimular o consumo. Assim, a economia como um todo é afetada. Desde os investimentos até os empréstimos e a oferta de crédito.

E aí? Você sabia que o Governo consegue fazer tanta coisa só alterando a taxa SELIC? E a SELIC Meta e Over? Sabia que existiam?

Junte-se ao grupo VIP Informe seu e-mail e receba conteúdos exclusivos com prioridade
100% livre de spam

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!